Linha do Tempo

Aqui você encontra um panorama da história do violão no país, desde o tempo da colonização, passando pelo período do império, a Belle Epoque, os estilos da Era do Rádio, o Brasil moderno da bossa nova, o surgimento da MPB, o revigoramento do choro na década de 1970, a chegada do violão nas universidades brasileiras a partir dos anos 80, até o momento atual. O levantamento inédito é fruto da consulta dos mais antigos jornais e revistas e de entrevistas com familiares dos artistas.

1830
1834
1839
1840
1841
1842
1844
1845
1850
1851
1852
1854
1856
1857
1858
1860
1862
1863
1865
1868
1870
1870
1873
1875
1877
1880
1882
1883
1885
1887
1888
1889
1890
1890
1891
1893
1894
1895
1896
1897
1898
1899
1900
1900
1901
1902
1903
1904
1905
1906
1907
1908
1909
1910
1910
1911
1912
1913
1914
1915
1916
1917
1918
1919
1920
1920
1921
1922
1923
1924
1925
1926
1927
1928
1929
1930
1930
1931
1932
1933
1934
1935
1936
1937
1938
1939
1940
1940
1941
1942
1943
1944
1945
1946
1947
1948
1949
1950
1950
1951
1952
1953
1954
1955
1956
1957
1958
1959
1960
1960
1961
1962
1963
1964
1965
1966
1967
1968
1969
1970
1970
1972
1974
1975
1976
1977
1979
1980
1980
1982
1984
1986
1989
1990
1990
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2000
2001
2004

1834

Método de violão atribuído a François de Fossa, (amigo e contemporâneo de Dionisio Aguado), já pode ser adquirido na loja de livros da rua da Alfandega, nº 22, no centro do Rio de Janeiro.
 
Algumas peças para “violão francês” de autores como Kuffner, Giulliani e Aguado também podem ser compradas na casa  de Eduardo Laemmert, que ficava na rua da Quitanda nº 139, na mesma região da cidade. Nessa mesma loja achava-se à venda o método de violão de Carulli, largamente  difundido na Corte, traduzido do italiano para o português por  A. Crocco, em 1837.