Posts encontrados para categoria Cartas de amor

Abismo de Rosas

O ano era 1981, eu completava 11 anos (sim, tenho 46 anos) e meu presente de aniversário foi uma grande extravagância para os padrões familiares: um aparelho de som 3 em 1 da marca National. Para os adultos acima dos 35 anos isso significa alguma coisa. Para os abaixo dessa idade, sei que não faz o menor sentido. Então, vou explicar. Um aparelho de som 3 em 1 era um trambolho de um metro de altura, mais ou menos, que reunia rádio, toca-discos e toca-fitas. Tudo numa única peça e com duas enormes caixas de som anexas, também com cerca de um metro de altura cada uma. Hoje em dia é difícil acreditar que isso era bacana, mas, sim, isso já foi muito bacana e sonho de consumo de uma geração.

O fino do violão: 90 anos de Paulinho Nogueira

Paulinho Nogueira é um melodista e harmonizador genial, um autêntico showman, sensível, repleto de carisma, balanço e técnica sui generis. Um mediador de universos culturais distintos, cuja obra deixou rastros expressivos na cena instrumental, no cancioneiro popular, na educação musical e na luteria pátrias. Particularizam a diversidade motora de sua estilizada tocabilidade, o timbre cristalino das polpas dos dedos com unhas curtas da mão destra e artifícios técnicos como chord melody, tapping, pedal tone, slide (arraste), pizzicato, campanella, rasgueo, tremolo, percussão no tampo, encordoamento híbrido (1ª corda de aço e demais de nylon)...

Memória: há dois meses morria Chiquito Braga, precursor da harmonia mineira de violão

O violonista Klenio Daniel escreve sobre o legado do músico que influenciou o Clube da Esquina. Confira aqui faixas selecionadas do único CD autoral que ele gravou em 2017 e antológico "Quadros Modernos", ao lado de Toninho Horta e Juarez Moreira.

Memória: Jose Luis Lara e o verdadeiro tesouro

Três meses após o assassinato do violonista venezuelano Jose Luis Lara, o carioca Luís Carlos Barbieri escreve artigo especial para o Acervo sobre a amizade com o músico e o impacto que sua morte gerou entre os colegas brasileiros.

A música peruana e o legado do violonista Raúl García Zárate

No próximo dia 29 de outubro completa-se um ano da morte do violonista peruano Raúl García Zárate (1931-2017), aos 85 anos de idade, vítima de pneumonia. O fato foi noticiado pelos principais jornais do Peru, tendo recebido nota de pesar por parte das autoridades do governo peruano. Uma repercussão que dá a dimensão da grandeza do artista para a cultura do país vizinho.

A música peruana e o legado do violonista Raúl García Zárate - parte 2

Na sequência do artigo publicado em 16 de outubro aqui no Acervo, por ocasião do primeiro aniversário de morte do violonista Raúl García Zárate, trago agora algumas considerações sobre as peculiaridades da música peruana, a partir de minhas experiências como músico naquele país – onde visitei diversas vezes a partir de 2006.
NIG

Tags